Marcadores

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Fiz da cama nosso mar
E à nau do corpo dei tua mão como guia
Soltei velas e cabelos
A cabeça a flutuar
Não havia farol nessa ventura
E fui de peito aberto contra o rochedo
E você sorria
Enquanto me via afundar

2 comentários:

carena só disse...

comentei em uma do dia 26 de julho, mas gostaria de dizer que tens uma poesia sincera, o que é raro neste estilo feminino de escrita. normalmente me dá enjôo a coisa armada pra sair daquele jeito. no teu caso, sei lá eu, mas não senti isso.

Elton Pinheiro disse...

Belo poema.